Patu

O Município de Patu fica situado na microrregião serrana do Rio Grande do Norte, a 300km da capital, Natal. Localizado na zona Oeste potiguar, é uma zona de agricultura e pecuária, que no início da colonização estava ligado ao ciclo dos currais.

Segundo o historiador Luís da Câmara Cascudo, "Patu" em língua tupi quer dizer "terra alta", "chapada", "planalto", "chapada sonora", "serra do estrondo".

Os primeiros habitantes da terra foram os índios "Cariris". Depois vieram os colonos criadores de gado, por volta do século XVIII. Os primeiros povoadores vieram de Apodi, entre eles o Padre Francisco Pinto de Araújo, o Coronel Antônio de Lima, Abreu Pereira, e os Capitães Leandro Saraiva de Moura e Geraldo Saraiva de Moura. Algumas das primeiras casas do povoado ainda existem.

Geraldo Saraiva de Moura instalou sua casa de fazenda no pé da serra de Patu. Em 07 de julho de 1777, ele foi escolhido para ser o administrador do patrimônio de Nossa Senhora das Dores; nesta data, ele recebeu a 1ª escritura de doação do Capitão Inácio de Azevedo Falcão, medindo 40x80 braças, iniciando-se assim a formação do referido patrimônio.

Com o tempo, o povoado foi crescendo com o nome de Patu de Dentro, e, em 1852 foi aprovada a sua fundação pelo Governador da Província, o Dr. José Joaquim da Cunha com o nome de Distrito de Paz de Patu, sendo subordinada à cidade da Imperatriz, hoje Martins.

Na metade do século XIX, o Capitão José Severino de Moura, sucessor do fundador, conseguiu a aprovação da fundação do povoado com o presidente da província do Rio Grande do Norte. Depois passou a chefia do município a seu filho José Severino de Moura Júnior e seu sobrinho Raimundo Basílio de Moura, que durou até o início da República.

O Governador Pedro Velho de Albuquerque Maranhão elevou o povoado à categoria de vila e o Distrito a município em 1890, quando o município de Patu foi desmembrado de Martins.

Do município de Patu foram desmembrados os seguintes municípios: Almino Afonso, Messias Targino, Olho D´água do Borges e Rafael Godeiro. Com a expansão da criação de novos municípios no Estado, esses Distritos conseguiram a sua autonomia política, por proposições da Assembléia Legislativa e por força de Leis do Governo Estadual.

Patu é hoje uma cidade pólo, de atração comercial, onde os municípios circunvizinhos se abastecem. Após os desmembramentos sofridos, Patu ficou com uma área pequena de apenas 369 Km2, porém de terras férteis e produtivas. Em 2010 o IBGE estimou a sua população em aproximadamente 12.000 habitantes. Patu é considerado um dos melhores lugares do mundo para o vôo de asa delta ou parapente (paraglider), mantendo os recordes de distância solo declarada, duplo declarada e duplo livre.